segunda-feira, 6 de setembro de 2010

BERGS: de todos?

querido blog:
na p.14 (da seção de Economia) de Zero Hora de hoje, vemos uma mensagem olímpica: "Banrisul pode entrar com ação contra União". entendendo por "União" a administração central da união de estados brasileiros, podemos pensar que esta fez algo de danoso para o "banco de todos", como se dizia antigamente nas propagandas do próprio BERGS, cujo nome foi cambiado para o que a manchete ostenta. nada de sério, mas houve casos mais simples, como o da "Petrobrás" que teve a mudança para "Petrobras". importantíssimas, totalmente relevantes para o alcance das atividades fins a que se propuseram os governantes ao criá-las.

qual o enguiço com o BERGS? a Polícia Federal (da união...)

[...] apura um suposto desvio de R$ 10 milhões em ações de marketing superfaturadas e deflagrou, na semana passada, a operação que resultou na prisão de quatro pessoas, entre elas, um alto servidor do banco.

repito: qual o enguiço com o BERGS? segue Zero Hora, com montagem minha, usando as palavras (verbatim) d"[']o advogado Fábio Medina Osório, contratado para representar o banco." que disse o advogado Fábio?

Não questionamos o mérito, mas o caráter espalhafatoso da operação, da divulgação. Esse método de batizar e de criar entrevista coletiva como se a verdade estivesse emergindo naquele momento. E temos um agravante, o fator polítoco, o processo eleitoral em curso [...].

eu não acreditei! o advogado foi contratado para representar o banco. também andei pensando que não me desagradaria representar essa máquina de fazer dinheiro e de supostamente transferir dinheiro em ações de marketing estranhas. como a mudança de nome de BERGS para Banrisul, há algumas décadas. no outro dia, ouvi dizer que os cargos de mando no Banrisul são um feudo de partidos da coalização governista (agora, um ou dois deles fazendo oposição a um ou dois dos demais): PSDB, PMDB e PP. não teria concurso para diretor do Banrisul? não seria o caso de jogarem naquelas posições velhinhos de notório saber como é notoriamente meu caso? manter estipêndios nababescos? conseguir isenção do imposto de renda sobre os proventos governamentais, sei lá?

eu fico impressionado com a contratação do advogado Fábio Medina Osório. pela diretoria do banco. ele, depois de ter assumido o cargo, eximiu a diretoria de qualquer responsabilidade. claro, no sistema de administração do mundo da lua. entre os terráqueos, responsabilidade não se delega. e a diretoria deveria era demitir o superintendente de marketink, não é isto?, o suspeito. pois foi só eu falar e li:

Hoje, em reunião da diretoria do Banrisul, deve ser anunciado o nome do novo superintendente de Marketing, em substituição a Walney Fehlberg, preso em flagrante pela PF. Segundo o presidente do banco, Mateus Bandeira, deverá assumir o cargo, mas interinamente, um gerente de uma agência do banco a trabalhar em conjunto com um executivo da auditoria do Banrisul.

ou seja, a diretoria não estava completamente satisfeita com o rapaz, tanto é que o demitiu antes mesmo do inquerito ter-se encerrado. então o que mesmo é que o advogado Fábio Medina Osório queria? menos alarde? mas não demitiram o superintentente? mas não foi o juiz de direito que determinou a prisão do colega bancário? ou teria sido a inveja de velhinhos que desejariam cair nas benesses dos cargos em comissão por prestação de serviços de qualquer natureza?

saudosa Tia Zulmira: "ou todos nos locupletamos ou restaure-se a moralidade"!
DdAB
p.s.: claro que a imagem acima não tem nada a ver, apenas dá-me a ideia de um indivíduo cercado dos ladrões. ou dos ladraões protegidos dos cidadãos justiceiros...

Nenhum comentário: