quarta-feira, 25 de maio de 2011

A Ajuris e a Justiça Distributiva

querido diário:
foram-se dois dias sem que eu lesse Zero Hora: segunda- e terça-feira. mas, in the end, li a de ontem e, claro, a de hoje. mas vou à p.17 da de ontem, com o artigo de João Ricardo dos Santos Costa, presidente da Ajuris. olho no Google e vejo que a Ajuris é um business, que tem uma escola de direito da qual, por puro acaso, o articulista é professor de ética e de estatuto jurídico da magistratura judicial.  o que quer que estas duas expressões "ética" e "estatuto etc." signifiquem. creio que vale a pena despender alguns meses estudando este site para entender bem o que é a Ajuris. uma escola, o presidente da Ajuris sendo seu professor. vejo mesmo outros nomes conhecidos como professores. falta confrontar quantos também são juízes (no sentido de juízes e professores).


os dois primeiros parágrafos não poderiam caber melhor no manifesto eleitoral de qualquer partido de esquerda no Brasil. chavonesco. destaco:
 
"A forte influência da Escola de Chicago no Fundo Monetário Internacional (FMI) obstaculizou no Cone Sul a caminhada desenvolvimentista de base keynesiana construída na Cepal e embalou a globalização das políticas crescentes de apropriação do Estado.

e devemos entender por "Escola de Chicago" parte do departamento de economia da University of Chicago que teria influenciado o FMI ("fome, miséria e imperialismo", como li há anos). a citada "caminhada desenvolvimentista de base keynesiana construída na Cepal" tem muito a ver com o "nacional-desenvolvimentismo" que tenho muito fortes razões para crer ter sido um dos responsáveis da abertura do leque salarial (salarial?) no Brasil. teria, a meu ver, começado com as empresas estatais, fundindo-se com ambições industrialistas dos dirigentes das empresas multinacionais e rapidamente alcançando as remunerações dos estamentos (que ele já designará por "segmento") da alta administração pública, especialmente os políticos e -você já anda adivinhando!- o poder judiciário.


e o prof. dr. Costa não demora a ir a seu ponto central:

[a administração estadual] [a]djetiva de altos salários a remuneração dos servidores públicos que compõem uma classe média que está longe de ser uma alta classe média, como se esse segmento detivesse o acúmulo de riqueza que gera o abismo social no Brasil.

pensei direto na novolíngua. "salários"? não seriam vencimentos ou ordenados de juízes e deputados? fora os proventos da aposentadoria de juízes e governadores? essa turma compõe uma classe média? abáuti, postei isto (clicar). e tem o Leonardo Monastério que postou isto (clicar). e mais: é absolutamente certo que essa negadinha se encontra nos upper one percent! e, como sabemos, os upper one percent concentram uma expressiva fração do "acúmulo de riqueza que gera o abismo social no Brasil". e digo mais: é apenas um imenso e trágico abismo social que permite que não exista imposto de renda num país em que os juízes e os deputados ganham um razoável múltipli de R$ 545 mensais. como não consegui achar bem achadinho o sujeito da frase que tem lá um troço assim "os que estão cada vez mais perdendo os direitos sociais construídos a duras penas pela humanidade", pois caí na gargalhada. não estaríamos falando daqueles ascensoristas da Petrorás da Av. Rio Branco de que falo e que ouvi dizer ganhar mais do que os professores titulares doutoras das universidades federais.

a saída, bem sabemos, é atacar o abismo social por dois lados encapsulados no orçamento público, lei que os juízes e os demais cidadãos deveriam zelar. lado da receita pública: imposto de renda progressivo. lado da despesa: gasto universal. como disse uma vez Stanislaw Ponte Preta, sobre outro assunto, em uma crônica: "Vamos acabar com essa folga."
DdAB
p.s.: duvido que algum professor da Escola da Ajuris jamais tenha encarado uma dessas refeições de classe média: aqui.

Nenhum comentário: