quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Distribuição, decisão e jogos

querido blog:
procurei "Sérgio Monteiro", combativo professor de economia da UFRGS. apareceram pilhas de "Sérgio Malandro", o que nada tem a ver com meu aplicadíssimo ex-aluno! e, para minha alegria, surgiu o lado alegre dos Monteiros, com o pianista. piano: meu instrumento musical preferido, eu que apenas arranho violões...

é que Sérgio, há alguns semestres, levou-me a pensar sobre sua definição de "ciência econômica", como sendo o estudo de processos decisórios, todos. das galáxias e das amebas, das viúvas negras aos praticantes do ludopédio, inclusive o impetuoso ponteiro direito Garrincha.

eu e o David Ricardo sempre achamos que a economia política estuda as leis que regem a distribuição da renda. como ligar estas concepções? digamos que o problema distributivo seja um jogo de soma variável (positiva ou nula, e até negativa, como no caso de uma greve). e digamos que o jogo pode ser cooperativo o não cooperativo (e ambos podem ser de soma positiva ou negativa).

se o jogo é cooperativo, o interesse recai na distribuição para o encaminhamento da barganha. se é não-cooperativo, estas noções tornam-se ainda mais claras: preciso decidir qual a estratégia que me faz alcançar a maior fração do pay-off do jogo. Sérgio Monteiro, David Ricardo e myself estamos cobertos de razão.
DdAB

3 comentários:

Unknown disse...

Já desisti há tempo de pensar para que serve a Ciencia Economia. Ainda, de vez em quando, penso no que faz o economista. Quase sempre chego a conclusao que é um profissional que não quer ser administrador nem contador e tem inveja do sociologo. Sei la...

Abraços

Tania Giesta disse...

Na minha opinião, todas essas ciências:Economia, Filosofia, Sociologia, Psicologia, Pedagogia...são na verdade, idéias do saber.Bom seria que a gente pudesse fazer com as idéias, o mesmo que os testamentos fazem com os objetos: são dados e pronto.Na minha cabeça moram idéias de dois tipos:
Primeiro, as idéias que não são de ninguem e são de todos, os saberes da ciência, o teorema de Pitágoras, a Regra de três, as informações sobre história, geografia, teologia- tudo isso está gravado e organizado na minha memória.Aparecerão quando eu precisar.
Mas há outras idéias que são só minhas. Minhas idéias sao os meus sonhos, são a minha esperança. Não existem no mundo da ciência.Mas são essas ideias que nos separam dos animais. São essas ideias que me fazem ter paixão pela educação:estou semeando as sementes da minha esperança.Não busco comunicar saberes. Os saberes estao soltos por ai, para quem quiser.Busco plantar esperanças em mentes alheias!

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

Daniel:
antigamente eu dizia que o economista (talvez seja válido até hoje para a economia de empresas) é o profissional que caminha sobre um muro. este muro permite-lhe ver, de um lado, a empresa e, de outro, o mercado. hoje -lembrarás milhares de postagens- acho que ainda havará outras especializações que, do alto da montanha, contemplam o muro, o estado e a comunidade.
Tânia:
gostei da imagem do testamento. quano às ideas que tive (2oo3, isto é, duas ou três, sinto-me honrado se vejo alguém usando-as. na educação, tentei levar o aluno a questionar-se e inconformar-se com seu nível de conhecimento.
DdAB