domingo, 3 de fevereiro de 2019

Mais uma Aula Antiga: comércio intra-indústria

Resultado de imagem para comércio intra-indústria
Querido diário:

Depois daquela aula do dia 17 de abril de 1997 (quinta-feira, aqui), encontrei umas notas também de aula na UFSC sobre o comércio intra-indústria. Fazia parte daquela disciplina em que assumi a coordenação, em substituição ao prof. Edvaldo, cuja capacidade teórica e prática o levara a rumos nacionais, tipo na agência nacional de energia. O roteiro da aula foi:

Introdução
A. Teoria do Comércio Intra-indústria
B. A Medida do Comércio Intra-Indústria
C. Um Modelo de Comércio Intra-Indústria
Moral da História

INTRODUÇÃO
. o comércio inter-indústria é aquele que se dá, por exemplo, com a empresa de automóveis Toyota, que compra minério de ferro, digamos, da Austrália, faz aço e carros e os vende aos EUA
. no caso do comércio intra-indústria, a questão é do tipo: por quê o Brasil compra vinho argentino e vende vinho para a Argentina?
. vamos responder a esta questão básica em etapas.
. dar uma olhada na teoria das vantagens comparativas, evocando os nomes de David Ricardo e Hecksher-Olin (Eli Heckscher e Bertil Ohlin, da Escola de Economia de Estocolmo), que apresentam três problemas
.a a maior parte do comércio mundial ocorre entre países com dotações de fatores assemelhadas
.b a expansão do comércio mundial do pós-guerra não tem levado a grandes realocações de recursos
.c boa parte do comércio mundial é intra-indústria
. mas o que é comércio intra-indústria?
É o comércio de produtos produzidos pela mesma indústria, ao contrário da noção mais convencional de que uma indústria vende motosserras e outra vende talheres.
. mas como explicar a exportação e importação simultânea do mesmo produto, ou de produtos similares? tipo: vinho, automóveis, talheres, motosserras, algodão.
. as novas teorias do comércio internacional centram seu interesse nas economias de escala e na diferenciação do produto.

A. TEORIA DO COMÉRCIO INTRA-INDÚSTRIA
. a teoria tradicional do comércio internacional tem sua formulação por meio da dupla Hecksher-Olin: o país tem vantagem comparativa na produção do produto que usa intensivamente o fator disponível em abundância.
. país com abundância relativa de trabalho exporta mais produtos intensivos em trabalho e importam bens intensivos em capital dos países com abundância de capital.
. um corolário desta proposição é que países com dotação de fatores assemelhados não terão muito comércio.
. outro corolário é que o comércio entre países de dotações diferentes implicará a equalização dos preços dos fatores.
. mas, a partir dos anos 1960s, começou-se a constatar que havia exceções a esse padrão com a presença de troca de produtos iguais (tipo vinho contra vinho ou algodão contra algodão).
. de fato, observou-se que os Estados Unidos vendiam algodão ao Egito e dele também compravam precisamente algodão, a França e a Inglaterra com lã
. os modelos tradicionais, adotando a moldura da concorrência perfeita, deixaram de investigar as consequências da presença tanto de economias de escala quanto da diferenciação do produto.
. existe diferenciação do produto, pois os consumidores preferem produtos similares, mas não idênticos. Lembrar o famoso artigo de Kelvin Lancaster e a relação próxima entre não mais de quatro produtos substitutos.
. todavia, se os custos em dois países são diferentes, volta a valer a teoria de Heckscer-Olin: só produz o país cujo custo é menor: produzem-se os produtos em que o aproveitamento das economias de escala expandem a competitividade das exportações.
. o diagnóstico do comércio intra-indústria foi feito nos países desenvolvidos, mas também vale para os subdesenvolvidos.
. as primeiras explicações foram:
... diferenciação do produto
... flutuações sazonais (soja em julho e soja em dezembro para abastecer a indústria da prensagem)
. reexportação: Argentina e Cuba com produto americano (automóveis lá naqueles tempos da aula).
. em particular, em termos industriais Linder (1961) disse que só se exporta um produto se houver demanda doméstica, o que difere dos produtos primários: posso não processar urânio, mas exportá-lo.
. as faixas de importação e exportação potenciais de um país é que vão determinar seu comércio: quanto mais os países exibirem estruturas de demanda semelhantes, mais eles trocarão,
. as uniões tarifárias europeias: BENELUX e a subsequente Comunidade Europeia mostraram que a maior parte do comércio foi de vender fora o que já se produzia localmente e comprar dos demais.
. Grubel e Lloyd ampliaram este argumento, mesmo para países sem uniões aduaneiras. E o mesmo fenômeno foi observado entre os então países socialistas.
. Helpman e Krugman (1985) disseram que níveis de renda per capita semelhantes levam à expansão das trocas bilaterais intra-indústria.
. Kelvin Lancaster diz que, com economias de escala em ação, quanto maior o mercado, mais possibilidades de diferenciação.
. mas deve-se ter cuidado para não ser levado a pensar em comércio intra-indústria devido ao excesso de agregação (se falarmos apenas em indústrias com "dois dígitos" de agregação, é possível que tudo seja incluído.
. mais detalhadamente, se classificarmos a tradicional divisão
... bens de consumo durável
... bens de consumo não-durável (consumo corrente)
... bens intermediários
... bens de capital,
praticamente tudo é comércio intra-indústria por contraste. Se pensarmos em vinho tinto marca tal, safra tal, não haverá comércio intra-indústria.
. obviamente isto determina a magnitude do comércio.
. e pode comercializar produtos homogêneos? sim, devido à sazonalidade, ao custo de transporte baixo, ao alto custo da armazenagem (perecibilidade, massa de pão francês na Inglaterra que viaja ainda fermentando no compartimento de carga do navio e é cozido de manhãzinha)
. e isto justifica a teoria de Heckscher-Olin.
. quais os determinantes do comércio intra-indústria?
... diferenciação do produto (design, performance),
... economias de escala (internas e externas): complementaridade industrial, mão-de-obra treinada
... ciclo do produto de Raymond Vernon: o país inventor abre filiais no exterior, mas o produto é imitado e ganha parte de seu mercado doméstico (do inventor),
... o nível de desenvolvimento do país,
... os níveis de renda,
... o tamanho dos mercados,
... a dotação de fatores de produção e
... as barreiras comerciais.

B. MEDIDA DO COMÉRCIO INTRA-INDÚSTRIA
. já acentuei que a agregação ou desagregação dos dados industriais pode fazer um tudo ou nada virar comércio intra-indústria (R), ou negá-lo.
. mas há medidas razoáveis que fazem todo sentido, contornando esta peculiaridade.
. inicia-se definindo comércio total (CT, entendido como fluxo comercial) de um país, X são as exportações de bens e serviços e M são as importações correspondentes. Então
 CT = X + M
. e esta grandeza pode ser calculada para a indústria i em um ano específico, levando-nos a escrever:
R =CT - CIT,
onde R é o comércio inter-indústria/s.
O comércio intra-indústria é dado por
CIT = X - M,
ou seja, o saldo comercial de cada mercadoria é exatamente a absorção líquida de um país dos produtos da mesma indústria localizada em outro país.
Combinando e mudando ligeiramente as duas definições anteriormente exibidas,
R = X + M - |X - M|,
onde a expressão |X - M| é o módulo do saldo do balanço de pagamentos em conta corrente.
. inventei três exemplos:
... X maior que M, com X = 20, M = 10, levando a R = 20
... X = M, com X = 20, M = 20, levando a R = 40
... X menor que M, com X = 20, M = 30, levando a 60 = 50 + 10.
. a partir deste ponto, podemos construir o índice de Grubel-Lloyd para a indústria i, IGLi:

IGLi = (Fluxo comercial - Módulo do saldo comercial)/Fluxo comercial
         = (Comércio total - Comércio Inter-indústria)/Comércio total.

. este índice assume o valor zero quando não há nenhum comércio intra-indústria, com todo comércio sendo inter-indústria, pois as dotações dos fatores entre as indústrias i dos dois países são diversas,
. passando a exibir o valor 1, quando todo comércio é intra-indústria, sendo a dotação dos fatores dos dois países e indústria i idêntica, por haver economias de escala e diferenciação do produto.
. quando o IGLi é maior que zero, mas menor que a unidade, há algum comércio intra-indústria, com aproveitamento das economias de escala e diferenciação do produto,
. quando o IGLi é menor ou igual a 0,5, predomina o comércio inter-indústria; se há efeitos de escala e diferenciação, estes são compensados pela dotação relativa dos fatores de produção.
. por exemplo, se X = 1.234 e M = 310,
IGLi = ((1.234 + 310) - (1.234 - 310))/(1.234 + 310) = 0,4
[se não me equivoco, pois havia um erro de cálculo horrível na anotação que usei na aula]
Com este IGLi = 0,4 e ainda as exportações têm valor maior que as importação, podemos dizer que o comércio é predominantemente inter-industrial e que a indústria local é mais competitiva do que a do resto do mundo.
. com esse mesmo IGLi de 0,4, mas se as exportações excederem as importações, diríamos que o resto do mundo é que é mais competitivo do que a economia doméstica.
. se IGLi é maior que 0,5 e simultaneamente, há superávit no balanço de transações correntes (X maior que M), predomina o comércio intra-industrial. Isto implica que a indústria do gênero i doméstica tem maior potencial competitivo do que a correspondente indústria do resto do mundo.
. se mantemos o IGLi maior que 0,5, mas agora há déficit no balanço de transações correntes, simetricamente, a indústria local tem menor potencial competitivo do que a do resto do mundo.
. para o total da economia, o índice de Grubel e Lloyd pode ser calculado como uma média aritmética ponderada dos índices das indústrias específicas em evidência. Passando a chamar agora o IGLi de Bi, o Btot é dado por
Btot = S bi * Bi
onde aquele S é a operação soma, normalmente indicada por um sigma, que não sei colocar em HTML...
Então os Bi são ponderados pelo fator bi. Este é a participação do fluxo de comércio do setor i no fluxo de comércio total do país.
. no caso do Brasil de 1990 [velhinho, hein?] foi de 0,59, ao passo que a média apenas entre dois setores específicos (714 e 716 da ISIC) alcançou apenas 0,37.
. para o ano de 1989, apresentei alguns dados do IGLi do Brasil com relação a alguns países:
Alemanha = 0,67
Argentina = 0,83
Chile = 0,88
Estados Unidos = 0,93
Itália = 0,72
México= 0,98
Paraguay = 0,98
Uruguay = 0,71.
. naturalmente no devido tempo foram criadas algumas variantes do IGLi, destacando-se a correção para os desequilíbrios comerciais. Neste caso (dos desequilíbrios comerciais), Aquino propôs outro índice. Seu suporte básico é tomar o valor do desequilíbrio global da balança comercial (ou transações correntes?) e distribuí-lo proporcionalmente entre as indústrias.

C. UM MODELO DE COMÉRCIO INTRA-INDÚSTRIA
, sendo, como anteriormente, R o comércio intra-indústria,
. ND o nível de desenvolvimento,
. DND os diferenciais no nível de desenvolvimento
. TM o tamanho do mercado,
. DTM a diferença entre os tamanhos do mercado
. IE a integração econômica e
. CMT o custo médio do transporte,
então o modelo pode ser expresso como:

R = f(ND, DND, TM, DTM, IE, CMT)

. os resultados esperados  são:
ND = nível de desenvolvimento deve variar positivamente com o nível de comércio intra-indústria; me outras palavras, quanto maior a renda de um país, maior a diversificação de seu padrão de demanda (renda per capita elevada correlaciona positivamente)
DND = diferença nos níveis de desenvolvimento, quando países mais ricos tendem a querer consumir produtos mais sofisticados, logo o mais pobre não compra do mais rico, e vice-versa
TM = tamanho dos mercados: quanto maior o mercado, mais economias e de escala e mais diferenciação do produto são exploradas
DTM = a diferenciação do tamanho dos mercados implica que mercados nacionais de mesmo tamanho tendem a gerar o mesmo volume de diferenciação do produto
IE = integração econômica: parceiros comerciais em esquemas de integração econômica, ao reduzirem as barreiras alfandegárias ao comércio, favorecem mais transações
CMT = custo médio de transporte: como o custo é transportar o produto, pouco se sabe sobre ele no país adquirente. Ademais, o custo alto representa uma barreira via custos.

. estimou-se a equação dada pelo modelo que acabei de referir, alcançando os resultados:

R = 45 + 2 ND + 0,02 DND + 0,3 TM - 0,009 DTM + 20 IE - 0,3 CMT,

. usou-se um cross section de 85 setores.

MORAL DA HISTÓRIA
. parece que não haverá problemas em colocar novos produtos.
. o verdadeiro problema reside na democratização das oportunidades de consumo da população. Segue-se que o emprego doméstico é vital.
. E emprego doméstico não requer muita competitividade em serviços non-tradeables., em especial os serviços pessoais.
[Hoje eu vacilaria em dizer isto, pois acho que até cirurgias poderão ser importadas da China, em certo futuro, usando a tecnologia 3D]

DdAB
P.S. Tinha dois lembretes em minha "folha de rosto" das notas da aula:
. há problemas no cálculo dos dois índices
. é preciso pegar outro texto sobre medida!
... ou seja, eu pensava usar essas notas para publicar algo, como fiz ao longo de minha carreira com quase todos os textos didáticos.

Nenhum comentário: