sábado, 4 de julho de 2015

Filho de Ladrão


Querido diário:

Há, digamos, 40 anos, a Editora Civilização Brasileira criou uma coleção de romances latino-americanos, tipo Nossa América, aquelas coisas. E li algumas obras, como Alejo Carpentier e mais não lembro, exceto o "Filho de Ladrão", de Manoel Rojas. Lembrei disto hoje, pois vim a saber, por parte de um frentista de posto de gasolina que mora em uma "vila" que há um conhecido vizinho que vive de furtos de bolsas no centro da cidade.

Terá o frentista dito a verdade? Estarei eu mesmo pregando minhas peças de ficção? Supondo tudo verdade, terei dito ao frentista: "A verdade é que a responsabilidade por esta profissão é totalmente da polícia. Como é que pode um sistema repressivo não ser capaz de detectar um agente no jogo dinâmico, ou seja, um jogo que se repete diariamente.

E também acrescentei que se trata de uma conivência da própria sociedade: com mais policiais, meliantes deste temperamento poderiam ser convocados -com bons rendimentos- a tocar na banda citadina, ou a capina, ou loja que ensina, ou seja, forcei a rima para falar em escola, varredor, quebra-galho, professor. Este mundo é possível? Vejamos o referendum grego.

DdAB
Imagem daqui.

Nenhum comentário: