segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Carta Capital: 10 x 0

querido amigo:
a Carta Capital de 10/ago/2011 tem três registros que me trazem a atenção. um na p.18, outro na 22 e o terceiro na minha mente mesmo. o primeiro é na seção Rosa dos Ventos, assinada por Maurício Dias. ganhou nota zero. trabalha com a teoria da grande conspiração para dizer que o ex-presidente FHC "conclamou a oposição a apoiar a faxina que Dilma supostamente promoveria ao longo de uma cruzada pelas virtudes." supostamente, meu chapa? ela não prometera isto no discurso de posse? e lá vem ele: "A equação é simples assim: a base oposicionista empurraria  Dilma contra a base governista, levando adiante denúncias sem provas [...] Até mesmo as pesquisas, que apontavam a aprovação da sociedade, tornam-se perigosas aliadas neste momento." cara, já estava gelado ao chegar a este ponto. mas havia mais.

diz lá na p.18 mesmo: "O 'golpe moralista' é identificável por mito barulho por nada. E sempre promove a inversão de um dos princípios básicos da justiça democrática: a inversão do ônus da prova passa do acusador ao acusado." parece que o articulista é que andou invertendo princípios de justiça democrática, não é mesmo? só posso usar a sabedoria infinita da música popular brasileira: "se alguém gritar 'pega ladrão', não fica um meu irmão!" precisamos qualificar: não pode que haja tanta corrupção no Brasil e ninguém seja responsável. reputação ilibada significa que neguinho não tem "rabo preso". se começam a aparecer indícios, um, apenas um, claro, de afanação do dinheiro público ou não, tem que investigar. para isto haveria o sistema judiciário.

e agora, para acabar de completar: "A corrupção é uma epidemia mundial. Por aqui, [...], há o sentimento de que o mundo ppolítico é só corrupção e contamina todos os níveis de poder [...]. Talvez seja. Afinal, essa semente germina na própria sociedade. É regada por corruptos e corruptores." agora fiquei a indagar-me o que Dias quer dizer com "sociedade". não é sobre mim que fala, não é sobre os meninos de rua que vejo em ação quase que diariamente, não é sobre milhares de brasileiros que saem de casa em condições de circulação péssimas, a fim de trabalhar, a fim de ganharem o que determinam seus contratos. tampouco é verdade que a corrupção é marca mundial. bastaria olhar os índices das ONGs de diferentes países.


pois bem, nem tudo é baixaria sempre. neste exemplar, Mino Carta cita indiretamente o velho comunista Enrico Berlinger: "A questão moral não se exaure no fato de que, em havendo ladrões, corruptos e concussores nas altas esferas da política e da administração, torna-se necessário identificá-los e prendê-los. A questão moral (...) coincide com a ocupação do Estado por parte dos partidos da maioria. A partir do governo, os partidos da maioria ocuparam o Estado e todas as instituições (...) as empresas públicas, as autarquias, os institutos culturais." conclui Mini: "Haverá quem diga: eis aí, é também a história do PT, o partido que esqueceu os trabalhadores". claro que eu digo.

mas eu responsabilizo é o sistema judiciário, este que deveria ser o responsável pelo ordenamento institucional dos países, do mundo.

DdAB
aqui a foto: abcz :: para encher os bolsos?

Nenhum comentário: