quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Triângulos e a Posteridade

querido blog:
comentei o comentário da postagem de ontem falando em triângulos. triângulos, trapésios, pi, funções matemáticas, tudo, tudo é efêmero, em certa medida. na medida em que o próprio Universo Conhecido é efêmero, tudo o que está nele contido também o é. pela teoria do big bang puro, haverá expansão eterna. mas, neste caso, juro que haverá alguma tunelagem em algum tempo e esta tendência da entropia máxima será abortada. uma nave espacial? uma equação criada daqui a um bilhão de anos por um andróide?

se houver big crunch, não me sobra nada além da piadinha que segue. considerando que estarei ao lado de milhares de políticos brasileiros e, assim como eu, milhares de outros defensores da sociedade igualitária, não supreenderá que o troço exploda ligeirinho.já falei que me disseram achar "este negócio de big bang um tanto mal ajanbrado". primeiro fiquei surpreso e depois comecei a pensar neste tipo de coisa: se não está bem contado, como será que seria bem contadinho? aí comecei a delirar com aquele negócio da equação E = m x c^2, ou seja, um vetor [matéria energia espaço tempo]. neste caso, acho absolutamente certo que a hipótese do andróide vai rolar. o que sobrar de nós será resgatado por meios que hoje parece ridículo imaginar. mas imaginar é o que nos requer Richard Rorty: pensar sobre tudo, principalmente -ele disse 'principalmente' - o impensável.

até hoje agarro-me pensando se estou pensando em algo impensável. e sempre que penso nisto, percebo que o que pensei era perfeitamente pensável, tanto é que o fiz.

DdAB
imagem do próprio Google: fala em Tarsila do Amaral. ela não era destes tempos. mas poderá ser resgatada, assim como tudo o mais, pois não é concebível que tudo tenha-se originado de nada, não é concebível que não haja nada acobertando o big bang. e, na linha do conto "A Última Pergunta", de Isaac Azimov, tá na cara que o Google e seus sucessores (e atuais sucedeâneos) tem-terá tudo a ver com este troço de inversão da entropia, este troço do mito do fênix.

2 comentários:

Tania Giesta disse...

‎ Resposta de uma questão dissertativa da disciplina: ETICA NA EDUCAÇÃO da Taninha:..."Para q um individuo se torne professor, é preciso que tenha alegria em ensinar e principalmente tenha clareza do seu papel de mestre.Pressupõe-se q o professor seja um modelo a ser imitado.O professor é muito mais do q um operário da educação, ele tem valor ético. Ético porque tudo o que fgaz, desde um olhar, um sorriso, um gesto, uma idéia, uma escrita, um tom de voz, um sim e um não fazem com que este seja um modelo para o aluno.Infelizmente nao tenho visto essa ETICA na educação dos dias de hoje...Vejo (me incluo tambem )professores estressados, sem paciencia , impotentes e frustrados...

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

eu acho, Taninha, que estamos numa transição importante. não é mais a transição para a sociedade da abundância, mas a trnasição distributiva. claro que pensar em alimentar as crianças africanas é um determinante ético da ação de muita gente. muita gente, porém, outra gente, não pensa mais do que em seus próprios interesses e não consegue visualizar além das questões locais. quando vejo gaúchos perdendo tempo em odiar o Grêmio ou o Internacional (e até ambos simultaneamente), impaciento-me, pois entendo que estão servindo para atrasar o progresso no rumo da sociedade igualitária.
DdAB