quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Dá de Tudo, Dá no PT: dá até Palocci


Querido diário:

Andei andando no alheamento por um ou dois dias e foi o que bastou para ver tudo mudado novamente. Ou melhor, como aprendi com Diego da Silva, nada mudou. O sr. Rodrigo Janot dá-nos excelente lição do preço que vaidosos pagam para associar a promoção de sua figura pública com os deveres de um funcionário público. Os holofotes cegam, se não me evado de 1 lugar comum.

Ninguém precisa ser muito arguto para entender que este denuncismo em véspera do dia da independência e de conclusão do mandato de procurador geral é puro exibicionismo. Por que apenas agora, nas vésperas de sua saída do cargo, por que novamente Lula e Dilma? E as malas de dinheiro do sr. Geddel Vieira Lima? Não foi a ele que outro político de igual envergadura designou como agatunado? Isto há mais de 250 anos.

E nosso combativo Antônio Palocci? Foi mandado pra cadeia e lá decidiu entregar o jogo. Ia entregar os bancos, os banqueiros, os políticos que mandaram no Banco Central. Esqueceu. Entregou o Lula, vou te contar. Acho que este foi o preço que o PT pagou por ser um partido que decidiu abarcar o mundo das massas, deixando de lado sua ideologia. Sinceramente, ver um cara do porte dentro da hierarquia partidária de Antônio Palocci transformar-se num delator, num traíra, é de cortar o coração de quem já acreditou que o Partido dos Trabalhadores poderia ter uma gosma de possibilidades de mudança. O que ficou, instead, é a gosma geral. Em minha opinião, isto é o fim-da-picada.

DdAB
O Jerry Adriani ali de cima é o Tomasso Buschetta.

Nenhum comentário: