sábado, 29 de abril de 2017

Zero Burra e a Interpretação de Textos


Querido diário:

Ontem, a greve geral foi um sucesso. Mas tem gente que fez mediações. Lendo uma destas, da jornalista Rosane de Oliveira em seção na página 9 de Zero Hora de hoje, entendi que uma das razões que me leva a ler o jornal e a cronista é sua capacidade de manter-se durante um bom tempo no mundo das contradições insolúveis. Vejamos:

Tópico frasal, falando da greve de ontem:

Nem o sucesso alardeado pelas centrais sindicais, nem o fracasso apregoado pelo governo de Michel Temer.

Início do parágrafo seguinte:

   A greve geral contra as reformas trabalhista e previdenciária foi a maior desde a redemocratização do Brasil.

Hai-kai interrogativo
Que mais posso dizer?
É sem-vergonhice?
Ou apenas burrice?

A moral da história é que aprendi a conviver com estes atropelos à lógica praticados por um jornal intrinsecamente atuando pela direita.

DdAB
P.S. Eu começara escrevendo isto, e mudei de lugar agora, 14h01:
Ante-ontem, ouvi na TV, incauto, "outra barbaridade", como disseram "Os Mirins". Os juízes do supremo declararam que eles próprios, médicos, economistas e outros podem desobedecer (e quem não o fazia até três dias atrás?) a regra que estabelece um teto de recebimentos em dinheiro para os funcionários públicos. Como os juízes já desobedeciam esse teto, com uma legislação do imposto de renda vergonhosa (por exemplo, bolsa de estudos não é considerada "provento de qualquer natureza", não há grandes novidades. Mas qual a justificativa daquele anteontem? É que o juiz e outros apaniguados podem acumular seu cargo regiamente recompensado com o de professor. E haverá milhares de outros tipos de acumulação permitida. Se se não houver milhões, novas leis permissivas serão criadas, a fim de que nada mude. Ou seja, agora, um juiz que também é professor pode por mais razões ainda receber acima do teto.

P.S.S. E olha esta montagem que retirei do mural de Elvis Santos no Facebook, ironizando que a grande imprensa nacional considerou o assunto de segunda importância:


P.S.S.S. Uns comentários no Facebook:
Elisabete Otero Continuo admirando tua tolerância com este pseudo jornal, me ajuda a rir .
Duilio De Avila Berni Para mim, Betty, esta de hoje foi uma das melhores. Mas tem mais: aquele jornalista da página 2 (Túlio Milman) escreveu longamente sobre sua tese de que a greve de ontem (a maior desde a redemocratização, segundo a colega dele) foi contra Lula.
Elisabete Otero Seria uma competição de asneiras ? os prêmios devem ser muito bons.
Maria Lucia Sampaio eu li, rsrsrsrs
Vera Goldim Fantástico!
Duilio De Avila Berni Querida!
Corina Dick Dondo, te adoro!
Duilio De Avila Berni Querida!
Glaucia Michel de Oliva Juro que não entendi o Milman ????????

Duilio De Avila Berni Oiee, Gláucia: na página 2 do jornal correspondente a 29 e 30 de abril, situa-se o "Informe Especial", de responsabilidade de Tulio Millman. Seu artigo de fundo de hoje intitula-se "A greve, na verdade, também foi contra Lula". Trata-se de um desabotinado ataque contra o ex-presidente Lula, sustentando que "nada disto começou agora". Ao contrário "tudo" (tudo o quê?) começou com Lula. Nem consigo comentar, nem vale a pena. Fosse o jornalista (como houve tantos outros que foram) meu aluno em cursos de introdução à economia, eu teria que dar-lhe nota de reprovação. Até uma cacofonia (tradução apressada de commodities boom) tem na linha de tiro do radical de direita.

Nenhum comentário: