sexta-feira, 22 de julho de 2016

O Golpe e nossas Crenças Democráticas


Querido diário:

No mural de Dinah Lemos, li um comentário de Rita Zanon que pode ser o elo que põe em contato quem é democrata e despacha para longe quem não é, quem é interlocutor e quem não é, quem está para tratar o assunto democracia com seriedade e quem usa artifícios esdrúxulos para fazer valer pontos de vista autoritários:
De todo modo
ser contra o Golpe de Estado
não deveria importar quem é o/a presidente.


Esta frase ajudou-me a colocar em nova perspectiva o que andei falando no começo desta pantomima do impeachment: sou contra o impeachment e contra o governo. O ponto trazido por Rita é que basicamente sou contra um golpe dado na ordem constitucional. E já que estamos no assunto, creio já haver mencionado um rápido diálogo que mantive com Antonio Ernani Lima:

Eu:
-Acho que a saída é mesmo uma nova constituinte.

AEML:
-Para quê, Duilio?

Mesa, cadeira, pratos, copos, alimentos, eu, demais pessoas circundantes:
-[mudos].

DdAB

Nenhum comentário: