segunda-feira, 13 de julho de 2015

Zero Hora 7 x 1 Merkel


Querido diário:

Eu, que leio Zero Hora diariamente e quase sempre fico contrafeito com aquele viés direitista, não pude conter-me em entusiasmo ao ver a matéria estampada no jornal de domingo, ontem, na página 12. Há uma coluna inteirinha intitulada e o que segue:

MITOS E VERDADES
 O país que deu ao mundo muitos estruturantes da cultura e da psicanálise também tem sido vítima de algumas fabulações. Nos últimos dias, a imprensa tem se esforçado para separar lenda de realidade. Veja algumas das conclusões,

GREGOS NÃO GOSTAM DE TRABALHAR
Conforme estatística da OCDE citada por El País, os gregos trabalham em média 671 horas a mais, por ano, do que os alemães. São 2.042 horas para os gregos, quartos colocados no ranking, ante 1.371 horas para os alemães, últimos colocados na lista de 40 países.

PROGRAMAS SOCIAIS SÃO EXAGERADOS
Segundo dados levantados pela revista Forbes, desde 2001, ano em que a Grécia aderiu ao euro, até 2007, início da crise financeira global, o país dedicou uma média de 20,6% do PIB a programas sociais, enquanto a Alemanha reservou 26,7%, e a França, 28,7%.

OS GREGOS TÊM BAIXA PRODUTIVIDADE
Ainda segundo a revista Forbes, a produtividade do trabalho na Grécia vem aumentando mais do que a dos alemães. A fonte citada é o estudo Por que os Estados Unidos não são a Grécia, de 2012.

A RESPONSABILIDADE DA CRISE GREGA É SÓ DOS GREGOS
Revista identificada com o capitalismo ortodoxo, a Forbes também avalia que parte da crise decorre do fato, levantado até por economistas heterodoxos de que a zona do euro não tem um mecanismo para reequilibrar automaticamente desequilíbrios na balança comercial.
Quando um país precisa exportar mais, por exemplo, pode fazer isso desvalorizando a sua moeda, o que torna os produtos mais atrativos no Exterior. Na zona do euro, não existe essa autonomia, porque a moeda é comum para 19 países.

DdAB
Imagem daqui. Creio que Sísifo, hoje em dia, estaria em maus lençóis. E eu que mais poderia dizer? Sorte que não sou santo (ver aqui).

Nenhum comentário: