segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

O Salário Mínimo como Salvador do Exagero Redutor de Custos


Querido diário:

Mexendo no mouse do computador, caí no portal de economia e negócios da Wikipedia. Parece que eu olhava temas relacionados com a regra de Taylor. De lá tirei a seguinte sentença, que se atribui a Frederick Taylor:

Não é o empregador que paga os salários: é o cliente.

E fiquei pensando na riqueza macroeconômica desta sentença. Sabendo que o cliente é que paga os salários da empresa, esta também saberá que, quanto menores forem estas despesas, menores serão seus custos e menores poderão ser seus preços. Se as demais empresas fizerem o mesmo, teremos preços baixos por todo o sistema.

Mas perderemos os salários eficiência, ou seja, paga bem para ganhar mais dedicação e produtividade. E perdemos um razoável volume de dinheiro à disposição das famílias dos detentores de salários.

Então, no balanço, salários muito baixos significam também baixo poder aquisitivo por parte das famílias.

E não é isto o que ocorre na China? E não foi isto o que contagiou a Alemanha, que reduziu salários e elevou a jornada de trabalho?

Não é preciso maior refinamento de raciocínio para entendermos que existirá um nível mínimo de salários compatível com o estágio sócio-político-econômico de um país. Um padrão de consumo considerado decente, enfim.

DdAB
A imagem é daqui e achei muito apropriada para o contra-contra-exemplo. É inconcebível que deputados ganhem "salários" dezenas de vezes maiores que os de seus eleitores.

Nenhum comentário: