sábado, 6 de julho de 2013

IDL ou ILH: tinha que ter o índice de desenvolvimento da limpeza ou índice da limpeza humana


Querido diário:
Parece óbvio que um ambiente como o das imagens acima não pode abrigar coisa boa. Peguei-as ao pedir "dirty new york". A primeira imagem associa-se a um país de um índice de Gini de 0,44. E explica tudo! Não pode haver uma cidade decente com ainda que uma única rua assim por um período superior a 24h.

Depois temos... Copenhagen. Tá aqui: um Gini de 0,25. E o Japão? Gini de 0,35. Como é que um índice de Gini alto explica a sujeira das ruas do Brasil? É que não há lixeiros, detentores de empregos decentes. Sem lixeiros, como é que a filha do lixeiro vai estudar violino? E como é que a professora de violino vai comprar sanduichinhos McDonalds para seus rebentos? E os filhos dos vendedores do afamado sanduíche, como é que poderão ir à Disneilândia? O os operadores de viagem que estão se divorciando, como é que poderão contratar bons advogados para tratar da partilha?

Parece óbvio: um dos requisitos do desenvolvimento econômico é a limpeza.

Mas também é do Japão que vem aquela "modelagem dos 5S":
De brinde, passamos a ver, no quarto S, a palavra "desordem", ou seja, uma referência direta aos políticos, os maiores responsáveis pelo caos que grassa na sociedade brasileira, da chefatura de polícia ao banheiro do juiz do supremo.

O marcador é daquele tipo em que a Dilma chamaria alguém (ou os 30% que a apoiam ou outros) e diria: "tu aí: organiza pequenas empresas de prestação de serviços ambientais mundiais, com cuidados a crianças, a velhos e ao meio ambiente, mas não me deixa estas ruas sujas, não me deixa este povo sem tomar banho, não me deixa os lençóis sem serem trocados por mais de uma semana.

DdAB
Imagens: são tantas que, infelizmente, perdi o controle. Nem mesmo juro que sejam nova-iorquinas, toquianas e copenhaguescas. O Quadro, claro, é da Wikipedia.

Tu aí, vota contra a sociedade suja, como lá naqueles tempos diria Quino: não confundir suciedad com sociedad.

Nenhum comentário: