sábado, 12 de janeiro de 2013

Poeta e Fingidores

Querido diário:

Das frases mais divertidas que andei lendo nos últimos anos destas retinas tão fatigadinhas é a que fala em Lula e Chavez:

.a. Lula se finge de morto (à propos do caso Rosemary Nóvoa)
.b. Chavez se finge de vivo (à propos dos casos de quatro cirurgias invasivíssimas)

Creio que não foi "o povo" que escreveu, mas acho que isto vinga-o das pilhérias e pilhagens que os políticos (ergo ladrões) fazem a seu bem-estar.

Para competir com isto, há Fernando Pessoa (para não falar no Drummond acima):

O poeta é um fingidor
Que finge tão verazmente
Que finge sentir na dor
A dor que deveras sente.

Ao mesmo tempo, fiz um teste para minha memória. Vou agora buscar o verdadeiro verso de F.P.

AUTOPSICOGRAFIA
O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Maravilhoso. Isto que eu não lembrava que o título era Autopsicografia. Tudo de acordo com o site aqui, que meu livro de poemas da Aguillar está alla.

DdAB
P.S. Por falar em besteirol, que me diz o vulgo dos dois filhos de políticos cujos pais (os políticos) lutaram como leoas para conseguir sinecuras na Prefeitura a seus rebentos. Só rebentando, digo cá eu. Por isto é que eu lançara há anos a campanha: "Abrace a política: sufoque um vereador", mas não deveríamos aternos apenas à campanha para os edis.

P.S.S. Por falar em politicamente incorreto, tenho outra genial, esta originária do Macaco Simão, quando da visita recente (cinco anos?) de Charles e Camila ao Brasil: morreu a princesa e o príncipe casou com o sapo! Horrívelmente, né?

P.S.S.S. Fora o Noel e seu "teu ódio sincero ou teu amor fingido".

Nenhum comentário: