terça-feira, 17 de agosto de 2010

Madeira e Alzheimr: piadinhas

querido blog:
já falei que minha ideia fixa de ler Zero Hora todo o dia leva-me a ler também a página de variedades que sempre tem uma piadinha, e às vezes muito divertidas? por exemplo, em plena ação na campanha "Ateus, saiam do armário!", li que a professora indagou:

-Joãozinho, você reza antes das refeições?

e o garoto de ouro resondeu:

-não é necessário, professora, minha mãe é excelente cozinheira.

então procurei o título desta postagem e achei a imagem acima em ... clique aqui. e rima com a piadinha que é como segue.

uma irmã, de 93 anos, a mais jovem da família, chama a segunda e diz coisas que a segunda suspeita estar frente a um caso puro de Alzheimer, dirigindo-se à mais velha:

-tu não acredita que a [mais jovem, nome mantido em sigilo...] não se lembra que hoje é o aniversário dela. acho que é Alzheimer.

a mais velha bate na madeira e diz:

-Alzheimer, nem me fala nesta baixaria.

a irmã do meio, ao ouvir a batidinha, diz: "ouvi uma batidinha na madeira. quem será?", e dirige-se à porta. a irmã mais velha fica com esses sons na cabeça, a batidinha na madeira, o som "madeira", a preocupação da irmã em atender a porta e diz:

-deve ser a entrega da madeira que parece que foi ontem que ouvi vovó pedindo ao telefone.
DdAB
p.s. caso esta postagem também tivesse o marcador de "Economia Política", eu seguiria falando na formação do PIB da sociedade do futuro e a importância do setor saúde nele.

2 comentários:

joão batista de almeida disse...

Piadas...Piadinhas...Associam-se a risos, gargalhadas, chorar de rir.
E quando a piada é um momento da vida real então? Na madrugada avançada, jovens estudantes do ginásio (naquela época dizia-se assim) destroem , em silencio, pilhas e pilhas de exercícios de matematica. Quando, sem mais nem menos, ouve-se o som de um pum. E , saindo de sua imersão forçada, um dos estudantes pergunta, em tom surpreso : " o que disseste ? pum ??? " .

Se vc conseguir lembrar dessa "piada" significa que Alzheimer ainda está longe de te visitar.

João Batista

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

Batista, Batistão?
meu querido amigo. lembro, lembro de muito mais. inclusive de nosso rápido encontro há uns 25 anos. e sonho com outro em menos tempo. também lembro da velha (?) dona da casa, das jantinhas da madrugada. e dos desenhos que me presentevas nas aulas da profa. Aglaé. mas precisava de mais do que um comentário para dizer de todo meu carinho por ti.
DdAB